25.2.08

Navio

flutuante
o verso


se des

loca

toca o céu
da boca

e depois
afunda

bate âncora
na bunda.

17.2.08

Sinteko

os sábados tinham cheiro
de cera
e barulho
de enceradeira

criança só falava
besteira
chupava chupeta
tomava mamadeira

mulheres viviam de bob
camisola
e pai de pijama
banheiro se lavava
todo santo dia
da semana

anos sessenta

muita cera no chão
que sinteko era coisa
de bacana.

11.2.08

Antipoema

quando não há movimento
não há poema
quando não há sentimento
não há poema

quando não há tratamento

ah, há poema

há cura
há quatro
elementos.

3.2.08

Bumbo

beijos confeteiros
abraços serpentinos
somos todos meninos
alucinados de amor e carinho
toquem um samba
sambem um hino
o de cima desce
o de baixo vai subindo
o mundo todo virado
rodando
zunindo
sua imagem agora é risco
colorido
multilindo

parem o bumbo
sou surdo
mudo
e carnavalouco.