30.5.08

Feijoada

junte seus amigos numa panela de feijão
separe as carnes
faça a farofa
corte a couve
sirva a caipirinha

jamais pergunte o que houve
nunca duvide do coração
esqueça a frescurinha
nem repare naquelas partes
e leve tudo na galhofa

porque a vida é escura
mistura
de amor
amizade
e tesão.

24.5.08

Adeus Brutos...

Hoje não tenho vontade de fazer poesia. É véspera de meu 49º aniversário e acabo de perder um amigo de quatro patas e coração gigante: Brutos, nosso boxer de 10 anos de idade. Ele fez a última gentileza de morrer dormindo, alegre e tranqüilo como sempre viveu.

Animal dito irracional, morreu deixando em mim uma tristeza que não compreendo. Deve ser o sintoma de alguma patologia dessas que só os humanos e racionais conseguem ter. Deve ser a dor de uma perda que lembra outras - passadas, presentes e que ainda estão por vir. Deve.

Mas Brutos não nos deve nada. Foi embora levando com ele toda a doçura que seu nome nem sugeria, toda a graça que só quem o conheceu teve o prazer de desfrutar.

Foi embora porque até Deus, esse racional superior, às vezes precisa de um bom cachorro. Eles fazem a vida ficar mais simples, e a de Deus, coitado, deve ser muito complicada.

E aqui fico eu muito triste em pleno aniversário. Parece que, por todos os motivos lógicos desse mundo, ainda tenho coisas importantes a fazer na vida.

Pelo menos até o dia em Deus precise de um cara complicado para fazer companhia ao seu cão simples e engraçado.

Obrigado Brutos, até sempre.

23.5.08

De coração



coração valente

guerreiro tricolor
uóshinton é matador!


o jogo nunca acaba
a torcida nunca se cala
a emoção não tem classe
só tem raça e sedução

respira fundo
que a bola é mundo
vem voando
rodando
em nossa direção

e o corpo sai do chão
e a alma sai do corpo
voa mais alto
que qualquer zagueiro

é a alma do guerreiro

desferindo o golpe
certeiro
no ângulo do coração

caio
choro
não sou o último
nem o primeiro
sou concreto arquiabstrato
dessa paixão.


17.5.08

Quase amor



ninguém pode gostar mais de mim

do que de outro
ninguém pode colocar mais moedas
nesse bolso
ninguém pode levar mais adiante
esse assunto

ninguém pode viver mais que o mundo
vamos morrer?

juntos


11.5.08

Materno

longa
afetuosa
redonda
sinuosa
presente
dengosa
insistente
gostosa

invisível

sempre presente

mãe

nunca mais
sem você.

9.5.08

Suburbano

ser humano
fora do centro
urbano
ser cigano
acreditar no erro
e no engano

ser mundano
manter o olhar
na bunda
que vai passando
vestir de cor
berrante
o cinza cimento
que vai ficando

ser um trem
sair da linha sempre
ou de vez
em quando
acreditar que a vida
é arte e engenho
de dentro
pra fora
do ser que está

parando.

2.5.08

É a vida

que nos ataca
nos dá uma mordida
é curta
é comprida

é a vida

bem e mal vivida
curtida
sofrida
nem sempre
resolvida

é a vida

às vezes só a luta
por um pouco de comida
sexo
e alguma delícia

é a vida

longa e mínima
minha e sua
compartilhada e repartida
em idas
e vindas

é a vida

interrompida.

1.5.08

de maio
desmaio
de tanto
trabalho

pego o baralho

corto

dou as cartas
faço a sorte

finalmente
sou senhor
do meu destino

ás de espadas
dois de paus
bobo da corte

quase menino.