26.9.13

Sem voz

nesse exato momento
todos estamos sós
todas gargantas
estamos nós
que não se desatam
engatam
a voz

nesse exato momento
todos estamos sós
somos e fomos
nossos avós.

Mansidão

quem dera
todas coisas
fossem mansas
todos sanchos
fossem panças
todos sons
fossem brisas
todos domingos
fossem pizzas
todas missas
fossem batizados
todos hospitais
fossem partos
todas meninas
fossem fadas
todos meninos
fossem encantados
todos dias
fossem feriados

quem dera
quimera
eu estivesse
sonhando
e não desacordado.

18.9.13

Viva a preguiça

por preguiça
de problema
foi cisma
por preguiça
de pneumonia
foi gripe
por preguiça
de casamento
foi namoro

por preguiça
de teorema
foi poema.

Amizade colorida

o amarelo beijou o azul
e fizeram verde
o vermelho ficou ali

morrendo de fome
e sede.

Feitura

quer fazer
bonito?
não faça
poesia
faça
um periquito.

Vi não

eu vi
um homem
atropelando um carro
um fraco
batendo num forte
um fio
segurando um poste

eu vi

e tudo que vi
viúva
de parreira
sem sorte.

17.9.13

12.9.13

Ar e água

quem pensa
não sente
o que pensa
que sente
então senta
e espera
esse sentimento
indecente.

7.9.13

Seu 7

independente do dia
sigo fazendo
meu sistema
independente do tema
não aceito
seu esquema
independente do lema
cerro os dentes
mordo a língua
não aceito solução
que não resolva
o grande problema.

(feliz sete de setembro pra todos)

4.9.13

A chuva e a estatística fina das coisas

quando chove
a água se move
e seis
em cada nove
pingos
lindos
embora
eu nem mereça
caem
na minha cabeça.

3.9.13

Amores ao vento

ver
você que eu amo
indo embora
cabelos ao vento
sentimento
de fora
os carros passam
a vida passa
e a poeira
fica
rica
na narina
fina
lembrança
das alergias
e alegrias
que espirraram
nosso amor
num lenço
branco
de lembranças
e lambanças.