20.3.17

Puta poema

fico muito puto
quando penso
um poema
e a preguiça
o desleixo
a falta
de sistema
acha que não vale
a pena
não anota
não decora
não acena
ao contrário
fecha a barraca
mete o galho
dentro
recolhe
a antena
fico de luto
quando morre
um poema
assim sem nascer
sem crescer
sem ser solução
nem problema
pobres poemas mortos
antes de encarnar
e terem corpos
atores tortos
sem papel
sem tema
são meus abortos
meus esgotos
merdas
que eu não fiz
nem pra provar
que minha alma
era pequena.

Minha mãe

minha mãe
tinha um jeito
esquisito
de dizer
que me amava
flutuava
entre o amor
irrestrito
e o terror
aflito
fui filho
querido
fui monstro
bandido
que bom
que ficou
especialmente
aquilo
ao que não dei
ouvido.

12.3.17

Sanduíche

e lá vem chegando
o aniversário
do meu filho
que por um acaso
é na véspera
do de minha
mãe
que já morreu
fico entre a saudade
de duas infâncias
e a dúvida
sorrateira
se a vida
é mesmo
rápida
ou o lento
sou eu.

8.3.17

Canários

somos todos
canários
cantando
solitários
nas gaiolas
o que varia?
as grades
e suas
bitolas.

2.3.17

Salinas

entrementes
nos déssemos bem
com o tempo
e as mudanças
do firmamento
entrecorpos
nos demos mal
foi natural
foi normal
foi elemental
onde falta
açúcar
sobra só
o sal.


14.2.17

Matefísico

se eu
não vivesse
seria
um mero
imortal
por isso
eu como
cago
mijo
dou lucro
dou prejuízo
sou do bem
sou do mal
enquanto aguardo
o juízo final.

9.2.17

Zeppelin


quando ouvimos
o passado
ele volta
mutilado
multi
facetado
misturado
espalhando
futuros
não
realizados.

Estratégias

tem poema que é na verdade uma ponte
tem
poema
que é
muro
uns eu atravesso
outros
eu
pulo.

27.1.17

Enquantos

enquanto você para
tem gente
que corre
enquanto você bebe
tem gente
que sofre
enquanto você come
tem gente
que morre
até quando você
é o cara
que se fode.

26.1.17

Parafuso

só de te ver
passar
sem te conhecer
eu me
parafuso
sou velho
sou confuso
sou galileu
sou confúcio
mas também
sou romeu
sou peri
sou lancelote
sou quixote
e se o corpo
anda cansado
o coração
bate de novo
distraído
que é
esquecido
do muito uso.

18.1.17

Só um pouquinho...

o poeta
nunca
está sozinho
ele tem milhares
de palavras
soltas
no seu ninho
só para fingir
que a dor
é mais
um vício
de linguagem
uma miragem
no meio
do seu desalinho.

13.1.17

12.1.17

Imperícia

meti meu coração
na contramão
carai véio
veio a curva
me fudi
nem vi
o perigo
tudo bem
foda-se
acidentes acontecem
morri de novo
e de tanto
morrer
estou mais vivo.

9.1.17

Intenções

nossas boas
intenções
e ações
nem sempre
têm o efeito
que desejamos
pudera
se não sabemos
de onde viemos
como saber
aonde vamos?

5.1.17

Desumanos

não existem irmãos
não existem manos
apenas sócios
contra os direitos
de sermos

simplesmente

humanos.

3.1.17

Poema Novo

esse ano
botou um ovo
talvez da serpente
talvez de algo
novo
esse ano
botou um ovo
e a natureza
do bicho
está nas mãos
do povo.

29.12.16

Mentes e corpos

às vezes
mal habitamos
nossos corpos
estamos vivos
estamos mortos
ou somos só
irremediavelmente
mortos?