26.5.17

23.5.17

Estranho

sinto um gosto
aspargo
se você 
leu amargo
é porque
não conhece
a esperteza
de ser
um magro
das larvas.

16.5.17

Mercúrios

descubro
que mercúrio
entrou em touro
então faço um poema
que vale ouro
duro
teso
um tesouro
escondo
que mercúrio
entrou em touro
não conto pra você
que nossa amizade
frouxa
leve
é namoro.

13.5.17

Escravo

eu sou pura
ideologia
toda hora
todo dia
comigo
não tem
anestesia
enquanto
houver
dor
desigualdade
agonia
vai ter
luta
palavra
pancadaria
no rabo
dessa
gente
que não quer
nossa alforria.

12.5.17

Líquido e certo

se uma tristeza
assim
tão tristonha
às vezes
te faz
chorar e molhar
a fronha
não tenha vergonha
essa mania
de sermos tristes
é rima bisonha
coisa de quem
sente
deita
e sonha.

8.5.17

10%

é cada poema
que nos aparece
um
não convence
outro
não apetece
quer saber?
hoje não vou
de poesia
garçom!
sim patrão?
cancela
o poema
e me traz
uma prece.

29.4.17

Movimentos

quanto maior
a repressão
maior será
a revolução
se todo repressor
soubesse a dor
que a gente
sente
seria
revolucionário
daqui pra frente.

28.4.17

Luta de classes

eu tenho
todas as classes
do mundo
você
nenhuma classe
num segundo

eu luto
você lucra

e eles?

bem
eles
vão levando
esse desgosto

profundo.



25.4.17

Quântica poesia

dizem
que o poeta
é chato
e um chato
nato
nato pato
pato poética
então
isso é
fato
todo poeta
é um chato
exponencial
que eleva
a estética
à chatice universal.

21.4.17

Piriri

poemas
são pertences
que esqueço
aqui e ali
este
perdi
no banheiro
no meio
de um piriri.

9.4.17

Mercúrio retrógrado

pare
e pense
você
não me convence
nem vence
perde
impaciente
recue e não olhe
pra frente
pra gente
praticamente
tire toda a roupa
do corpo
do armário
da mente
de agora em diante
vamos fazer
vamos comer
vamos morrer
diferentes.

4.4.17

Noturnos

a noite chega
com seus trejeitos
escuros
sombras mal faladas
gatos em cima
dos muros
sufocos
sussurros
não tenho insônia
nem me iludo
tenho é a cabeça
cheia
de entulhos.

2.4.17

Chovente


a chuva
ando chovendo
de repente
súbita
indiferente
aos desejos
e à secura
da gente.

29.3.17

Só sombras

desmontam
um país
como se fosse
um brinquedo
de armar
e não
amar
um dia
há de chegar
em que
o sol
não nascerá
e a noite
se fará
sombria
só fria
toda deles.

20.3.17

Puta poema

fico muito puto
quando penso
um poema
e a preguiça
o desleixo
a falta
de sistema
acha que não vale
a pena
não anota
não decora
não acena
ao contrário
fecha a barraca
mete o galho
dentro
recolhe
a antena
fico de luto
quando morre
um poema
assim sem nascer
sem crescer
sem ser solução
nem problema
pobres poemas mortos
antes de encarnar
e terem corpos
atores tortos
sem papel
sem tema
são meus abortos
meus esgotos
merdas
que eu não fiz
nem pra provar
que minha alma
era pequena.

Minha mãe

minha mãe
tinha um jeito
esquisito
de dizer
que me amava
flutuava
entre o amor
irrestrito
e o terror
aflito
fui filho
querido
fui monstro
bandido
que bom
que ficou
especialmente
aquilo
ao que não dei
ouvido.

12.3.17

Sanduíche

e lá vem chegando
o aniversário
do meu filho
que por um acaso
é na véspera
do de minha
mãe
que já morreu
fico entre a saudade
de duas infâncias
e a dúvida
sorrateira
se a vida
é mesmo
rápida
ou o lento
sou eu.