Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2018

Poema de Natal (2018/1964)

podem não gostar
mas nós vamos lutar
todo santo dia
ainda que não
acreditemos
em santos
ou na virgem
maria
somos joãos
somos pedros
somos luzias
somos enfermos
sãos
sebastiãos
nesse inferno
brasil
das covardias podem não gostar
mas nós vamos lutar
ainda que o diabo
sorria
somos viados
putas
pobres
negros
mulheres
almas vazias
aquela gente
que morre
todo dia
sem merecer
seu olhar
sua piedade
sua poesia podem não gostar
vocês nunca
gostaram mesmo
mas
um dia
vai chegar
nossa hora e aí será
demasia.

Dupla atroz

de fujão
e de ladrão
cada um
tem um pouco
só não vê
quem não quer
ou não dá tino
ao coco cadê o queiroz?
cadê esse moço? foi chupar
laranja
e os bagos
do bolso.

Brazil, paus e pedradas

meu brasil
do pau
do pé
de goiaba
da laranja
fardada
da verdade
favelada
da pobreza
arrombada meu brasil
do pau
da piroca
da pica
toda
enfiada
no cu
dessa gente
que finge
que deus é pai só pra
aguentar
a porrada
nossa
de cada
dia
até que
a morte
nos una
na última cagada.

Parças

se a parada
é tosca
chama eles
seu parças
parceiros
chegam
falando alto
bando
trupe
gangue de guerreiros se o trampo
é fosco
berra neles
seus parças
parceiros
brigam
no asfalto
povo
time
tropa de fuleiros tumulto?
invasão?
revolução? conto com eles
camaradas
companheiros.

Brasil, amo e não deixo

amo
os fodidos
os oprimidos
os que nunca falam
os que não são ouvidos amo
os fracos
os degenerados
os deixados à margem
os exterminados sem abrigo não deixo
os poderosos
os injustamente ricos
dizerem
o que devo e onde fico não deixo
os foderosos
os falsamente lícitos
mandarem
o que digo e repito Brasil
amo
não deixo
e vocês
fascistas vão ter que me engolir
vivo.

Estrela

quando
o ódio
vence
a esperança
até parece
que o mal
cresce e
avança pare
pense
tenha confiança nossa fome
de justiça
só aumenta
enquanto eles
enebriados
de vinho
e vitória
enchem as ruas
as praças
a pança quando
o ódio
vence
a esperança
não perece
aquela estrela
que brilha além de onde
a vista
alcança.

AMANHÃ

sou negro
sou viado
sou mulher
sou sapatão sou seu pesadelo
sua excomunhão sou campo
sou cidade
sou favela
sou exclusão seu tormento
sua preocupação você pensa
que passa
mas
não passará
nem passarão vai dormir
fascista
que amanhã
tem revolução.

Livres para lutar

a liberdade
incomoda
falta ao trabalho
faz greve
tira folga a liberdade
é folgada
nega o dogma
abusa
usa droga a liberdade
é sagrada
não obedece
se atreve
vai embora a liberdade
é nossa
e ninguém
apagará
nossa calma.

Boçal

ele fala merda
ele fala mal
ele fala? rosna
bufa
peida como é natural ele fala merda
ele fala mal
ele fala? grasna
ruge
engasga como é boçal ele não tem
bossa
roça
nem capinzal é capitão
do mato
sem cachorro
no esgoto moral.

AdVinho

não sei
se o frio
traz o vinho
ou o vinho
traz o frio
só sei
que eu
adivinho
seu
coração todinho.

Lua e fios

a lua
entre fios
à luz do dia
é tão sem poesia
talvez por brilhar menos sombria a desejar
desejos
sombras
e água fria.

Eclipse solar

onde luzes
vejo sombras
onde brilhas
meu sol
tomba
sou
o oposto
do
seu gosto que te ronda.

Sereias

atiro palavras
ao mar
feito garrafas
e há quem use
chamar
de poesia
essa simples
maresia mania de tentar
pescar
sentido
em estar
afogado
no raso
lugar que fica
entre o ar e a sereia.

Seu lúcido

faz tempo
que não tenho
um soluço
isso é estranho
me sinto
confuso será que estou vivo?
será que sou lúcido? faz tempo
que não tenho
um soluço
temo não ser
mais humano
temo não ser
mais americano temo
tremo
me esgano faz tempo
que não tenho
um soluço
morri
e não
percebi
que sou russo.

Dilema

entre um mapa astral
e outro
disfarço
e faço um poema não tema
cada um
desfaz da morte
que ali acena como se fosse
nosso
esse roteiro
cheio de estrelas de cinema.

A tristeza errada

certas tristezas
não levam
a nada: água parada
paixão perdida
na estrada mas há outras
que atravessam
minha garganta
feito facada: aquela criança
magra
caixa de balas: olhar perdido
olhos de vidro
na calçada.

Fingimento

coisa mais tosca
é essa de a gente
se viver sendo inútil acordar sorumbático
dormir pragmático sentir todas as doenças
num só corpo
inútil
fútil se era para ir era melhor nem ter vindo o melhor do sonho
é se fingir
dormindo.

Verão

a chuva
é sentimento
que escorre 
por fora
do vidro
embaçado
desse
automóvel modelo coração quanto mais chove
mais acelero
rumo
ao
cruzamento
de uma nova
avenida
com a imaginação.

Cadeirada

Todo mundo fala do jeito que vemos as coisas mas pouco se comenta de como as coisas nos vêem. Uma cadeira, por exemplo... cá estou eu
aqui parada
quatro pernas
e não posso andar
sirvo para tudo
sirvo para nada tenho mesmo
que te esperar aqui sentada?