Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2016

Animem-se

o passarinho
no fio
a roupa
no varal
a cadela
no cio fila de cachorros é natural jogo do bicho
no poste
bêbado da rua
no chão
motorista de praça
no bar beber e dirigir é normal o cigarro
faz fumaça
a vizinha
faz barulho
o gato
faz o muro parecer uma perimetral quero é morrer
suburbano
aqui onde o ser
humano
não finge que não é animal.

Tá explicado

você me vem com fados
eu entro com fodas
você posa de fada
eu me enfado
bruxo
brocho e vou embora tá na hora da poesia
parar de fingir
que é dislexia
e assumir
que é uma putaria metida à besta.

Canção do extermínio

há certos poemas
que eu não deveria
ter lido
simples versos
palavras
sentimentos
que não teriam
me ocorrido
se eu não tivesse
a infeliz ideia
de tê-los
sabido morte aos poetas!
pensadores
e seus escritos! a felicidade
é a ignorância
de que antes de nós alguém
tenha feito
sentido.

Cola Polar

a casa está caindo
aos pedaços
onde colo?
o que faço?
a cola é branca
a realidade é sombra
e sobre o ombro
o cheiro da cola
branca recorda a infância meleca
peteca
biblioteca
lombadas de livros
descolando velhices
a professora
gostosa
era pecado
o bilhete
com a suspensão
era recado
para os pais
que eu não levo
nem a pau falando em pau
aprendi a tocar
punheta
a professora
gostosa
quem dera
essa buceta a cola
era branca
e o espermatozoide
da piada era perneta.

Opus

e lá vamos nós
tocando a vida
como a vida
assim o exige
às vezes cordas
outras metais
de repente
só sopros
aos mais afoitos percussão e lá vamos nós
tocando a vida
enquanto a morte bate palmas.

Aves cativas

uma tarde
em zurique
meu passado
foi à pique
naufragado
por um clique
de um futuro
que eu não fiz
de uma frase
que eu não disse nessa tarde
em zurique alimentei a solidão
como quem
cativa aves.

Chiste

sentei para fazer
uma poesia triste
com o teclado na frente
e a tristeza em riste
incompetente que sou
deu tudo errado
e saiu esse poema chiste misto de dor
e desejo
do que não existiu
e do que ainda existe.

Brinco

não sei se foi o vento
mexendo
no seu cabelo
ou aquela pequena
cicatriz
branca no seu joelho
só sei
que dá próxima vez
que me olhei no espelho eu já não era mais
o mesmo
era menos
do que o meu reflexo
era meio eu
meio seu
e o meu coração
nunca mais bateu
apenas se mexeu como um brinco
pendurado no desejo.