Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2014

Não ver para crer

é feio ser insensato
é feio ficar triste
é feio ver ETs
espíritos
e erês

já não é feio
ser científico
cético
falar
francês

vou dizer uma coisa para vocês

eu acredito
em tudo
que meus olhos
não vêem
meus ouvidos
não ouvem
minha mente
não pensa

na quitanda dos sonhadores
tenho conta
e sou freguês.

Poema bunda

a bunda
é uma coisa
engraçada
apesar
de já ter nascido
rachada
em nada
a prejudica
esse "defeito"

de fábrica.

A porca e o parafuso

não existe amor
mais lindo
que o da porca
e o parafuso
nele não existe
rosca sem fim
pino sem buraco
nem buraco
sem uso

por isso
casais que me leem
não façam
de suas vidas
um drama
confuso
lembrem
das coisas simples

sejam mais porcas
mais parafusos.

São flechas

se são flechas
para ferir
se são flechas
para matar
o que importa
é a intenção
e se estou são
não é por sorte
ou azar
é por falta
de medo
da morte
e um peito

largo

fácil de acertar
viva são sebastião
meu santo
minha sina
minha fé
tão sem altar.

Romance verbal

foi num
desses nossos
desencontros
que perdi
uma palavra
para sempre
era bela
era diferente
uma palavra
que nunca
tinha antes
passado em
minha mente

você me roubou
amor
dor
tempo
tudo
que viu
pela frente
mas só não vou
perdoar
essa palavra
que
por sua culpa

foi embora

e não deixou semente.

Ventilando ideias

o ventilador diz não
não posso olhar
fixo
para você
tenho que circular
espalhar
o ar
que capto
e atiro
com minhas pás
jogo
para frente
o que tiro
de trás

respiro fundo
respondo fraco
ao ventilador sagaz
tá bom
entendi
fica com seu vento

e me deixa em paz.

Vale o que tá escrito

poemas
que eu não fiz
são como beijos
que eu não dei
se me perguntam
seriam bons?

respondo
juro que não sei

por outro lado
tudo que foi escrito
é reconhecidamente
bom e ruim
um sim feito de não
um não nem tão feio
assim

feito pizza
que eu adoro
mas tem sempre
algo de fim.

Sinastria

eu invado suas casas
sem pedir licença
conheço seus desejos
sei o que você pensa
limito seus anseios
invento novos temas
seus planetas
beijam os meus
mas não vejo
nenhum problema
até que o tempo
e o trânsito

implacáveis

resolvem entrar em cena.


Desafio

faz um poema
seu sacana
ganhar dinheiro
você sabe
só não sabe
ser bacana
engole merda
e caga grana
vive de falcatrua
e filigrana
você não
me convence
não me engana
cheiro de falcatrua
rico de filigrana
cheio de moral
se mija
na cama
odeia viado
puta
e cigana
mas de noite
escondido
fica de quatro
e engole
banana

faz um poema seu sacana.

Matutino

e aí vem a paz
numa mesa de madeira clara
a toalha vermelha e branca
o café com leite que mexo
regularmente
no sentido horário
sem pressa de acordar
o dia que bate lá fora
não quero ir embora
quero pão torrado
com manteiga
sua voz meiga
falando mesmices
que se diz de manhã
para combinar
com o lugar comum
esse lugar
tão distante
quanto o corredor
que nos levou
à sala

de não estar.

Tarótico

descobriu
que não estava bem só
nem ficava bem
junto

juntou as trouxas

e foi viver
no fim do mundo.


Os ômi

o homem
é mesmo um bicho
muito diferente
do normal
reclama 
de barriga cheia
e sorri
quando está mal
chama de tédio
a harmonia
e de alegria
o caos

o homem
é mesmo um bicho
muito diferente
do natural

naturalmente

acha que é um deus
mas pede que os deuses
o ajudem
quando cruza o portal.