16.1.08

Encontros

um dia o perfeito
encontra o defeito
o pingo chega no chão
o raio racha o céu
o laço envolve o cabelo
o lago sorri pra pedra
o grampo fura o papel

um dia o receio
encontra a coragem
o anel sai do dedo
o vento abre a janela
a flecha corta o ar
o mar bate na areia

um dia o mundo
encontra o universo

fecho os olhos

e desperto.

5 comentários:

Tião Martins disse...

Encontros são fenômenos naturais do cotidiano. Já dizia Nostradamus. Rs!

Cristina disse...

Belo. Adorei. Beijos

Ariadne A... disse...

E os reencontros o que são???
rsrsrs!

Anderson Victorino disse...

O desperte que é complicado. Os sonhos podiam ser reais! Sonhos acordados então...
Grande abraço mestre!

Luiza disse...

Amigo poeta por onde andas?
Parceiro notívago, por onde pestanejas e bocejas?
Vou lhe dizer, e pronto:
Um almoço de reencontro?