4.2.09

Sideral

um dia um cometa veloz
encantou-se por uma estrela
e num arroubo intergaláctico
abandonou seu senso prático
num trocadilho errático:

minha luz irradiante
quero "quasar" com você!

basta
isso foi suficiente
para o infinito poderoso
punir o gesto impertinente
[e o mau gosto latente]
com um fatal buraco
negro

e nosso cometa agonizante
não pôde seguir adiante
sentiu a vida cessar
sem não antes
com o sorriso caótico
um último pensamento
expressar:

buraco negro?
é aí que eu queria chegar...

6 comentários:

Tião Martins disse...

Cometa sacana e fdp... rs.

Ludmila Roumillac disse...

Nooooooooossa, vc se superou!!! Ameeeeeeeeeeeeeeeei, posso postar no meu blog ??????

Bjoooo

Gilson Caroni Filho disse...

Orifício no poema de cima,buraco negro nesse aqui. Estou com muito medo do meu amigo Tião. Espero que seja coisa do calor. Nessas horas, me conforta ter envelhecido. Os cometas evitam colisões com corpos flácidos.Mas será possível que o poeta se acanalhou a esse ponto?

Gilson Caroni Filho disse...

Em tempo: você está brincando cada vez melhor com as palavras. Tá na hora de pensar em publicar um livro, hein?

Tião Martins disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!!!!

Amigo Gilson, vc tem razão! Acho que estou vivendo um momento protológico!

Desde que comecei a fazer exames regulares(uma vez por ano/anus, que fique bem claro!) da próstata nunca mais fui o mesmo!

Livro? Do jeito que vou terá que ser impresso em papel higiênico!

Abraço e obrigado pela visita!

Pedro Garcia Tatim Neto disse...

Achei muito sagaz as estrofes. Coisa de outro mundo mesmo.
Vou acompanhar esses blog.

http://palavraderedator.blogspot.com/