31.1.11

Dona aranha

um dia
um mês
uma eternidade


a gente a[r]ma uma teia


e ainda acredita
na liberdade.

3 comentários:

Tião Martins disse...

Outro dia, atendendo a pedidos, matei uma aranha. Fiquei com remorso, mas ela ficou morta.

Moto-Contínuo disse...

Mas Tião,
às vezes a gente
não pode deixar
a dona aranha subir
pela parede
quando bem entender
senão é a gente
que sobe
e não sabe
como descer

Serei sempre seu aluno e fã!
Mas sem viadagem hein!
hahahaha
Abraço!

Evaristo Calixto disse...

Perspicaz a Dona Aranha. Liberdade é uma ideia cansada, que não aguenta mais churrasquinhos nem cerveja aos finais de semana. Liberdade só quer o simples: um caldo de cana com limão numa quarta-feira improvável e não quente, necessariamente. Parabéns, continue!