5.11.07

Sessão "que inveja" IV - Vladímir Maiakóvski

brilhar para sempre
brilhar como um farol
brilhar com brilho eterno
gente é pra brilhar
que tudo o mais vá pro inferno
este é o meu slogan
e o do sol


Tradução de Augusto de Campos
do poema de 1920, "A extraordinária aventura vivida
por Vladímir Maiakóvski no verão na datcha"

2 comentários:

Tião Martins disse...

Há muito tempo que eu não fazia um "Que inveja". Não por falta do que invejar (são tantas...), mas por preguiça mesmo. Em compensação, ataquei logo de Maiakóvski. Adoro esse poema, e vejam que não sou leonino...

Caroline Monlleo disse...

Nossa...tb amei!
Vai que tem algo de atrativo para os geminianos aí...e nem estamos percebendo! Ou estamos?!
Adorei...Ah, eu amo o sol, amo o brilho...amo tudo que acende e ascende! Amo a luz, o inebrio. Amo a cor do horizonte nacente e poente!

Beijo:(:)