4.12.08

Propaganda

a alma do meu negócio
não é o ócio
é o business
e o beócio
com seus sócios
suas siglas
e silogismos
impróprios

mas não sinto um divórcio
entre o poeta
e o publicitário

somos de novo sócios

investimos tudo
no mercado futuro
realizando lucros
a três por quatro
em transações obscuras

é fato

o publicitário
vive de juros

o poeta
vive de juras.

4 comentários:

Tião Martins disse...

Salve o dia mundial da propaganda.
Obrigado anúncios, pela poesia que me dão.

Cris Carnaval disse...

Pqp. Adorei. Me dá de presente? rs. Bjos

Carol Monlleo disse...

"É fato mesmo

O propagandista
vende a chama
de um fósforo

A poetisa
acende a chama
de uma paixão.

E tudo, é pura
criação."

Amei a poesia.
Muito boa.

Beijinhos & carpe diem.

Ludmila Roumillac disse...

Muuuuito bom!!!! Como sempre né... parabéns!