10.11.10

Metralha

fazer poesia como quem metralha um muro
cacos de concreto voam
perfuram olhos
abrem cabeças
as balas comem loucas
seu passado
seu futuro.

2 comentários:

Tião Martins disse...

Balas são flores atiradas em alta velocidade.

Marcela disse...

Essa é a graça da poesia!