28.5.07

Investigador

investigando o passado
sigo passos bem pesados
não há marcas nas pedras
o asfalto não deixa pistas
sou um índio solitário
numa reserva indígena

pesco a direção do vento
farejo a trilha das estrelas
vejo o som de patas ao longe
sinto a sensação de peixes
voando em minha cabeça

fui um índio solidário
numa cabana indígena

hoje ouço
mp3
hoje vejo
mp4
hoje vivo
no meu teclado

mas sou um índio libertário
nesse único verso

indígena.

25.5.07

Aniversário

mais um ano de vida
e nada a reclamar
tenho mulher
tenho filhos
tenho bichos
para acariciar

mais um ano de vida
e nada de arrepender
fiz amigos
fiz poemas
para nunca esquecer

mais um ano de vida
e tudo está por vir
venham netos
venham afetos
até a hora de ir.

23.5.07

Desafinado

afinando as cordas
vocais
abdico da voz
nunca mais

afiando as facas
fatais
acerto contas
vou atrás

nada me escapa nesse mundo de meu deus
pena que em cada mundo haja tantos zeus

juro vingança
faço lambança
pensar até cansa

saio armado
atiro pra todo lado

com sorte

miro no inocente
e acerto o culpado.

21.5.07

As moiras


tecem o nosso destino
seja você
santo ou assassino
gente ou pedra
velho ou menino

as moiras

não se divertem
apenas fiam, medem
cortam
nossa vida em pedacinhos
grandes ou pequeninos

às moiras

tanto faz se sofremos
ou gozamos
de onde viemos
para onde vamos
se somos sãos ou insanos

as moiras sempre existiram
são o que há
resistiram
e resistirão
ao passar
dos anos.

20.5.07

Eu romântico

minha vida
é um palco iluminado
quando falta luz
fico apavorado.

Sessão que inveja III - Oswald de Andrade

Um de meus poetas preferidos. Viva Oswald de Andrade!

As quatro gares

infância

O camisolão
O jarro
O passarinho
O oceano
A visita na casa que a gente sentava no sofá

adolescência

Aquele amor
nem me fale

maturidade

O Sr. e a Sr. Amadeu
Participam a VExa.
O feliz nascimento
De sua filha
Gilberta

velhice

O menino jogou os óculos
Na latrina

meus sete anos

Papai vinha de tarde
da faina de labutar
Eu esperava na calçada
Papai era gerente
Do Banco Popular
Eu aprendia com ele
Os nomes dos negócios
Juros hipotecas
Prazo amortização
Papai era gerente
Do Banco popular
Mas descontava cheques
No guichê do coração

17.5.07

Lost

perdidos numa ilha
perdidos no espaço
somos circo
somos palhaços
nos evolvemos com estrelas
beijamos astros
somos fãs
da vida vivida em capítulos

com intervalos

comerciais
intelectuais
espirituais

não somos nada
somos demais
nada demais
pra fugir
deixar pra depois
pois estamos lost
na vida somos poste
e os fios que nos enfeitam
são finas formas de ligar
a energia que rola entre nós

tá ligado?
estamos ligados
estamos sós
no tempo e no espaço
de nossos avós.

12.5.07

Todas as mães

todas as mães
que conheci
são matildes
ilhas de amor
cercadas de ventos
uivantes filhotes
beijando suas praias
prenhes de esperanças
nadando em volta
dos seus olhos atentos

gemas de ovos
centros de poder
seus desejos são sinas
suas bençãos divinas
suas pragas assassinas
suas promessas

milagrosas

transformam tristezas
constroem riquezas
enfrentam a dureza
dos séculos
com segundos
de fé

são mães
são matildes
são provas
sempre vivas
da eficiência

mágica

do amor.

6.5.07

Louco





saio sem compromisso
não tenho nada com isso
saio pra ser
herói
medíocre
ou assassino

só sei que não conheço
o caminho
e não ensino
o que não sei
nem quero saber

não deixo pistas
não sou otimista
nem pessimista
só espero

sinceramente

que o mundo
me perca de vista.

1.5.07

Trabalho

pra caralho
malho
o dia inteiro
dinheiro
tem cheiro
cor de
destempero
espero
o dia primeiro
pago
todos os pecados
a prazo
com juros

que não faço mais

rapaz
pra quê tanto trabalho
todo mundo manda
e você
sempre
faz.