30.7.17

Prato

o poeta morre um pouco
em cada tristeza
alheia
cercado de tantas fomes
ele é prato
ele é ceia.

Um comentário:

Nadine Granad disse...

Belo!
Seu prato poético enche os olhos e sacia a sede!

Beijos! =)